Ver como página web

SIGA NOSSA REDE    
Boletim iCS: Agosto/2017
Por dentro do iCS
Reunião com equipe da 2050 Pathways Platform inicia discussões sobre participação brasileira na iniciativa Plataforma trabalha junto a governos locais e nacionais, empresários e investidores para ajuda-los no desenvolvimento de uma estratégia de descarbonização de longo prazo.
Ler Mais +
Em entrevista para o iCS, Ana Yang, presidente do Conselho da organização, analisa cenário do enfrentamento às mudanças climáticas e da filantropia no Brasil Em sua fala, Yang abordou a questão climática no Brasil em momento de incertezas políticas e econômicas, além da importância do trabalho do iCS no tema.
Ler Mais +
Energia Elétrica
Diálogo Chino produz série de reportagens sobre carvão e energia solar na China e Brasil com apoio do iCS Enquanto país asiático avança internamente na redução do consumo de carvão e aumento da produção de energia elétrica com base em fontes renováveis, investimento internacional segue outro viés
Ler Mais +
Reunião da sociedade civil com a EPE debate importância do componente indígena no planejamento da matriz energética brasileira Organizado pelo GT Infraestrutura, encontro destacou a importância dos indígenas nos grandes empreendimentos de energia
Ler Mais +
Câmara Temática de Energia Elétrica do FBMC discute o Plano de Expansão do Setor Elétrico Foram realizadas duas reuniões no mês de julho com membros da sociedade civil, empresas, governo e academia, com foco nas metas brasileiras na NDC
Ler Mais +
Seminário na PUC-RS debate eficiência energética e uso do carvão, com presença de Roberto Kishinami O evento abordou temas como eficiência energética e necessidade de retirar o carvão da matriz energética até metade do século, foco da palestra de Kishinami.
Ler Mais +
Ecofalante debate, com filmes e palestras, sobre a relação entre mudanças climáticas e problemas cotidianos Kishinami participou com fala sobre a interação entre mudanças climáticas e problemas cotidianos, entre os quais poluição, contaminação e perda de biodiversidade.
Ler Mais +
Mobilidade Urbana
Agora Lei, Estatuto do Pedestre prevê ações e boas práticas em benefício da mobilidade a pé em São Paulo Entre elas, a qualificação de calçadas e pontos de ônibus e destinação de recursos do Fundurb para incentivar a mobilidade a pé
Ler Mais +
Plano de Mobilidade por Bicicletas de Belo Horizonte é aprovado pelo prefeito Alexandre Kalil
O plano traz ações de infraestrutura e circulação; legislação; financiamento; educação, mobilização e comunicação; integração modal e bicicletas compartilhas; e governança.
Ler Mais +
Como Anda reforça importância da mobilidade a pé em Congresso Nacional de Transporte e Trânsito e no dia de ir #aPéaoTrabalho
Durante os dois eventos, foram realizados os Bondes a Pé, para reforçar a importância da caminhada como forma de mobilidade urbana
Ler Mais +
Projeto #bicicletanosplanos vai apoiar organizações da sociedade civil com insumos para a implementação ou revisão dos planos de mobilidade urbana de cidades brasileiras
Entre os benefícios da participação destacam-se assessoria técnica e metodológica em planejamento cicloviário, estratégias de campanhas e financiamento.
Ler Mais +
Política e Economia Climática
Reunião da Hewlett Foundation em Washington debate tendências globais de longo prazo relacionadas às mudanças climáticas No encontro, foram analisadas as tendências globais de longo prazo que podem afetar as mudanças climáticas, dos pontos de vista sociais e econômicos.
Ler Mais +
Acontece no Brasil
Organizações, dentre as quais donatárias do iCS, pedem Ação Direta de Inconstitucionalidade contra a Lei da Grilagem O texto da lei permite a regularização de ocupações feitas até 2011, por vezes com valores inferiores a 10% do preço de mercado das terras.
Ler Mais +
Em 2016, quase metade da energia ofertada no Brasil teve origem em fontes renováveis – índice não deve se manter em 2017 43,5% de toda a energia ofertada no país em 2016 teve origem em fontes renováveis, aumento de 2,2% em relação ao ano anterior.
Ler Mais +
Doações Aprovadas em Julho
GCCA – Global Climate Change Alliance | R$ 250.000 Conectar temas de saúde, qualidade do ar e mobilidade urbana por meio de campanhas, eventos e esforços de comunicação.
Ler Mais +
Associação Casa Fluminense | R$ 290.000
Permitir que a Casa Fluminense desempenhe o importante papel de instituição de vigilância da política urbana no Rio de Janeiro.
Ler Mais +
Sul21 Mídia Eletrônica S/A | R$ 30.000
Produzir seis reportagens/entrevistas a serem publicadas no site e mídias sociais da Sul21, gerando visibilidade para os impactos socioambientais da mineração no Rio Grande do Sul.
Ler Mais +
ANDI – Comunicação e Direitos | R$ 110.000
Analisar e propor estratégias de comunicação efetivas baseadas na cobertura da mídia entre 2014 e 2016 nos temas de Energia e Mudanças Climáticas.
Ler Mais +
Por dentro do iCS
Reunião com equipe da 2050 Pathways Platform inicia discussões sobre participação brasileira na iniciativa

Emannuel Guerin, do European Climate Foundation e Diretor Interino da Plataforma 2050 (2050 Pathways Platform, nome em inglês), aproveitou a visita ao Brasil em junho para o “Encontro Internacional sobre Estratégias de Desenvolvimento de Longo Prazo e Mudanças Climáticas”, organizado pelo iCS, e visitou a sede do Instituto. Junto com a equipe da Plataforma, o Clima e Sociedade discutiu caminhos para a participação brasileira na iniciativa, que trabalha junto com governos locais e nacionais, assim como empresários e investidores, para ajuda-los a desenvolver uma estratégia de descarbonização de longo prazo.

“Primeiro, foi importante começar a conhecer essa plataforma. Cada país tem sua própria estratégia, mas há pontos em comum, desde a importância de se ter um compromisso explícito de carbono zero, como construir planos de curto prazo para atingir esse objetivo. Essa articulação do iCS em uma plataforma internacional com seus muitos stakeholders é fundamental para o planejamento de longo prazo”, avalia Ana Toni.


Em entrevista para o iCS, Ana Yang, presidente do Conselho da organização, analisa cenário do enfrentamento às mudanças climáticas e da filantropia no Brasil
Em entrevista para o site do iCS , Ana Yang, Diretora de Mudanças Climáticas da CIFF e Presidente do Conselho do iCS, falou sobre a questão climática no Brasil em um momento de incertezas políticas e econômicas, além do arcabouço legal que existe em países europeus e nos Estados Unidos para a filantropia familiar. Além disso, ela também ressaltou a importância do trabalho do Clima e Sociedade para o Brasil.
voltar ao topo
Energia Elétrica
Diálogo Chino produz série de reportagens sobre carvão e energia solar na China e Brasil com apoio do iCS

Com apoio do iCS, a plataforma multilíngue para jornalistas Diálogo Chino produziu matérias sobre carvão e energia solar com um paralelo entre Brasil e China. Enquanto o país asiático avança, internamente, na redução do consumo de carvão e aumento da produção de energia elétrica com base em fontes renováveis, não se pode dizer o mesmo de sua política de investimento internacional. No Brasil, por exemplo, os financiamentos externos para carvão provenientes do Banco de Desenvolvimento da China (CBD, na sigla em inglês) cresceram 40% desde 2013.

Já em relação ao desenvolvimento de fontes alternativas de geração de energia, como solar, o Brasil permanece incipiente, em função de problemas como interesses particulares, protecionismo e falta de incentivo ao empreendedorismo. A crise das hidrelétricas, que sofrem com instabilidade climática, impactos ambientais e conflitos indígenas, por exemplo, pode ser um novo começo para a indústria fotovoltaica no país.

Atualmente, a China apresenta um crescimento exponencial no setor de energia solar, não apenas no segmento de produção, quanto também no de instalação, em função do apoio governamental e de políticas internas favoráveis. Trata-se de um bom espelho para o Brasil.

Reunião da sociedade civil com a EPE debate importância do componente indígena no planejamento da matriz energética brasileira
A necessidade de considerar o componente indígena no planejamento da matriz energética brasileira, sobretudo relacionado aos grandes empreendimentos hidrelétricos, foi o tema central da reunião entre representantes de organizações não governamentais integrantes do Grupo de Trabalho de Infraestrutura e a equipe técnica da Empresa de Pesquisas Energéticas (EPE), no dia 17 de julho, no Rio de Janeiro. Durante o encontro, a EPE apresentou a metodologia utilizada no planejamento energético do país, com quatro critérios no recorte socioambiental: modicidade tarifária, segurança energética, áreas protegidas e mudanças climáticas. Sergio Guimarães, um dos fundadores do ICV (Instituto Centro de Vida, donatário do iCS) e facilitador do GT Infraestrutura, propôs que a EPE convide lideranças indígenas para as discussões internas do tema.
Câmara Temática de Energia Elétrica do FBMC discute o Plano de Expansão do Setor Elétrico
Em julho, a Câmara Temática de Energia Elétrica do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas (FBMC) se reuniu duas vezes. Nas duas, discutiu-se o Plano de Expansão do Setor Elétrico (PDE), que vai até 2026. Durante a primeira, a Empresa de Pesquisa Energética (EPE) expôs a relação entre os compromissos assumidos pelo Brasil na NDC com o PDE. Na segunda, representantes da sociedade civil, empresas, governo e academia dialogaram sobre como os componentes do PDE podem ser incrementados ao longo do próximo ano, principalmente, para garantir o alcance das metas da NDC.
Seminário na PUC-RS debate eficiência energética e uso do carvão, com presença de Roberto Kishinami
Em julho, Roberto Kishinami, coordenador do Portfólio de Energia Elétrica do iCS, participou de seminário sobre matriz energética na PUC do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre. Aberto para os alunos da universidade, o evento abordou temas como eficiência energética e necessidade de retirar o carvão da matriz energética até metade do século, foco da palestra de Kishinami.
Ecofalante debate, com filmes e palestras, sobre a relação entre mudanças climáticas e problemas cotidianos
A 6ª Mostra EcoFalante de Cinema Ambiental, realizada em São Paulo, teve uma série de debates e palestras sobre sustentabilidade. Em uma delas, Roberto Kishinami foi convidado para falar, ao lado de Paulo Saldiva, diretor do Instituto de Estudos Avançados da USP, a respeito da interação entre mudanças climáticas e problemas cotidianos, entre os quais poluição, contaminação e perda de biodiversidade.
voltar ao topo
Mobilidade Urbana
Agora Lei, Estatuto do Pedestre prevê ações e boas práticas em benefício da mobilidade a pé em São Paulo
No dia 13 de junho, o prefeito de São Paulo, João Dória, sancionou a lei 16.763, também conhecida como Estatuto do Pedestre. A partir de agora, há uma série de novas regras, como a qualificação de calçadas e pontos de ônibus e destinação de recursos do Fundurb (Fundo Municipal de Desenvolvimento Urbano) para incentivar a mobilidade a pé. Entre as medidas, destacam-se a instalação de semáforos inteligentes para pedestres em cruzamentos de maior circulação, com informações sobre tempo de travessia e alertas sonoros, a criação de um banco de dados com estatísticas para orientar políticas e ações pontuais e multa de R$ 500,00 por dia para concessionárias de serviços que não seguirem os padrões estipulados para postes, equipamentos ou mobiliário urbano em geral instalados em calçadas, praças e passeios públicos.

Plano de Mobilidade por Bicicletas de Belo Horizonte é aprovado pelo prefeito Alexandre Kalil

O Plano de Mobilidade por Bicicletas de Belo Horizonte (PlanBici), desenvolvido pelo coletivo BH em Ciclo (Associação de Ciclistas Urbanos da cidade) em parceria com a Empresa de Transporte e Trânsito (BHTrans) e Secretaria Municipal de Planejamento, foi aprovado pelo prefeito Alexandre Kalil. Dividido em seis eixos, com prazos de execução até 2020 (quando termina o atual mandato de Kalil), o plano traz ações de infraestrutura e circulação; legislação; financiamento; educação, mobilização e comunicação; integração modal e bicicletas compartilhas; e governança (produção de dados e transparência). Agora, a proposta será levada para a Secretaria de Planejamento e Finanças.

Como Anda reforça importância da mobilidade a pé em Congresso Nacional de Transporte e Transito e no dia de ir #aPéaoTrabalho

O Como Anda, projeto dos donatários do iCS Corrida Amiga e Cidade Ativa, participou do Congresso Nacional de Transporte e Trânsito da ANTP entre os dias 28 e 30 de junho. Com apoio do Clima e Sociedade, lançou edital para convidar quatro entidades de mobilidade a pé a participar de um painel sobre o tema. Os escolhidos foram: INCITI (Recife), Caminha Rio (Rio de Janeiro), MOB (Movimento e Ocupe seu Bairro, de Brasília) e Pezito (Porto Alegre).

Além disso, durante os dias do evento, promoveu bondes a pé para caminhar até o local do evento ou a polos de transporte público por meio de três rotas pré-desenhadas. O objetivo, segundo Andrew Oliveira, do Como Anda, era mostrar os benefícios desse tipo de mobilidade tanto para a saúde, quanto para a redução das emissões de carbono. A iniciativa foi repetida no dia 7 de julho, Dia de ir #aPéaoTrabalho, movimento anual capitaneado pela Corrida Amiga para reforçar a importância dos pedestres como alternativa no planejamento urbano.

Projeto #bicicletanosplanos vai apoiar organizações da sociedade civil com insumos para a implementação ou revisão dos planos de mobilidade urbana de cidades brasileiras
A União dos Ciclistas do Brasil (UCB) e o Bike Anjo, com apoio do iCS, organizam um edital de apoio financeiro à implementação ou revisão do Plano de Mobilidade em cidades pelo Brasil, chamado de #bicicletanosplanos, com foco nas bicicletas. Entre os benefícios da participação, destacam-se assessoria técnica e metodológica em planejamento cicloviário e estratégias de campanha, materiais de promoção, financiamento global no valor de R$ 60.000,00 (entre R$ 500,00 e R$ 3.000,00 por projeto), mini oficinas e mentorias por videoconferência, disponibilização e assessoria na aplicação dos Indicadores de Qualidade da Inclusão da Bicicleta no Plano de Mobilidade, entre outros.
voltar ao topo
Política e Economia Climática
Reunião da Hewlett Foundation em Washington debate tendências globais de longo prazo relacionadas às mudanças climáticas
Entre os dias 18 e 19 de julho, Ana Toni esteve em Washington para a reunião de revisão de trabalho da Hewlett Foundation, organizada por Jonathan Pershing, Diretor de Programas de Meio Ambiente. No encontro, foram analisadas as tendências globais de longo prazo que podem afetar as mudanças climáticas, dos pontos de vista sociais e econômicos – direta ou indiretamente relacionados às mudanças climáticas.
voltar ao topo
Acontece no Brasil
Organizações, dentre as quais donatárias do iCS, pedem Ação Direta de Inconstitucionalidade contra a Lei da Grilagem
Um conjunto de 64 organizações e redes da sociedade civil pediu no dia 28 de julho ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que sugira Ação Direta de Inconstitucionalidade contra a norma que ficou conhecida como Lei da Grilagem, sancionada por Michel temer no dia 11. Entre os signatários da carta endereçada à PGR estão donatários do iCS como Observatório do Clima, Greenpeace, Instituto Centro de Vida, WRI-Brasil, entre outros. O texto da lei permite a regularização de ocupações feitas até 2011, e ainda fixa valores por vezes inferiores a 10% do preço de mercado das terras para tal – o equivalente não apenas a anistiar a grilagem, como a premiá-la.
Em 2016, quase metade da energia ofertada no Brasil teve origem em fontes renováveis – índice não deve se manter em 2017
43,5% de toda a energia ofertada no país em 2016 teve origem em fontes renováveis, aumento de 2,2% em relação ao ano anterior. Nesta mesma comparação, houve crescimento de 10% na participação da energia eólica e dos resíduos de biomassa. No ranking das renováveis, o etanol aparece em primeiro lugar, com 17,5%, seguido pelas hidrelétricas, com 12,6%. Mas quem ainda lidera o índice geral com sobras é o petróleo e derivados, que respondem por mais de dois terços da energia ofertada. O aumento das fontes renováveis, no entanto, pode não demonstrar uma tendência para 2017 – no ano passado, as boas chuvas permitiram que as térmicas fósseis quase não fossem utilizadas, e a recessão econômica reduziu em 3,8% a demanda por energia.
voltar ao topo
Doações Aprovadas em Junho
GCCA – Global Climate Change Alliance Valor Doado R$ 250.000 Duração 9 meses Portfólio Mobilidade Urbana Propósito da Doação: Conectar temas de saúde, qualidade do ar e mobilidade urbana por meio de campanhas, eventos e esforços de comunicação. Essas atividades promoverão mudanças de comportamento e consciência, assim como apoiar esforços de advocacy com vistas a políticas de baixo carbono na mobilidade urbana, trazendo o setor da saúde para o debate.
Associação Casa Fluminense Valor Doado R$290.000 Duração 12 meses Portfólio Mobilidade Urbana Propósito da Doação: Permitir que a Casa Fluminense desempenhe o importante papel de uma instituição de vigilância da política urbana no Rio de Janeiro, que visa a aprovação e monitoramento de Planos de Mobilidade Urbana que promovam políticas de mobilidade urbana de baixo carbono de alta qualidade na região metropolitana do Rio de Janeiro.
Sul21
Mídia Eletrônica S/A
Valor Doado R$ 30.000 Duração 12 meses Portfólio Divulgação
Propósito da Doação: Produzir seis reportagens e entrevistas a serem publicadas no site e em mídias sociais da Sul21, gerando visibilidade para os impactos socioambientais da mineração no Rio Grande do Sul.
ANDI – Comunicação e Direitos Valor Doado R$ 110.000 Duração 4 meses Portfólio Divulgação Propósito da Doação: Analisar e propor estratégias de comunicação efetivas baseadas na cobertura da mídia entre 2014 e 2016 nos temas de Energia e Mudanças Climáticas por meio de dois eventos com a participação de especialistas, representantes da sociedade civil e jornalistas que vão cobrir a COP23.
SIGA NOSSA REDE    

Este é um boletim mensal enviado pelo Instituto Clima e Sociedade – iCS
Por favor, envie suas sugestões ou comentários para luiza@climaesociedade.org
Caso não deseje receber novamente este boletim, escreva para ics@climaesociedade.org