Ver como página web

BOLETIM iCS
Janeiro 2019
O iCS na COP

O esvaziamento da pauta climática e ambiental no início do governo Bolsonaro

O Amanhã é hoje, documentário que retrata vidas impactadas pelo clima

FBMC entrega a Temer um documento com dados preliminares sobre Brasil Carbono Zero

Novo coordenador do portfólio de transporte inicia os trabalhos

#QUANTO CUSTA morar longe?

Estudo da COPPE/UFRJ sobre emissões de transporte marítimo é lançado

Prêmio MapBiomas seleciona trabalhos sobre a relação entre uso da terra e infraestrutura

Um calendário especial para 2019

INÉDITO: NOVAS WEBSÉRIES

CLIMA + SAÚDE

NAVEGANDO POR ROTAS DE DESCARBONIZAÇÃO

DOAÇÕES APROVADAS EM DEZEMBRO


ABERTURA
O iCS na COP

O Instituto Clima e Sociedade marcou presença na COP24, realizada em dezembro na cidade polonesa de Katowice. Uma conferência online realizada pela Global Catholic Climate Movement - no dia 20 de dezembro - apresentou alguns desdobramentos, análises e os próximos passos após a COP.  Confira os textos inéditos produzidos por Alice Amorim e Gustavo Pinheiro, respectivamente coordenadores dos portfólios de Política Climática e Engajamento e Economia de Baixo Carbono.

A Gramática da COP, por Alice Amorim
Um ativista climático chega esbaforido no saguão do aeroporto da Cracóvia. Ele desligou o despertador e quase perde o avião. O jovem tinha passado as últimas duas
semanas enfurnado em um estádio poliesportivo na longínqua, Katowice, onde milhares
de pessoas se reuniram para mais uma Conferência Internacional do Clima. As COPs
funcionam como um universo paralelo, com o passar das horas cadenciado por versões
de texto que vão perdendo seus brackets, tweets de grande repercussão, debates sobre o
fim do mundo, comida ordinária e muita cafeína...

Continue lendo o texto completo aqui .

O futuro do “Pacote Climático de Katowice”, por Gustavo Pinheiro
Estive presente representando o Instituto Clima e Sociedade na 24ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima realizada em Katowice, na Polônia, em dezembro de 2018. Trata-se de uma reunião anual de todos os países-membros. O objetivo principal foi o estabelecimento de um acordo em torno do livro de regras que orientará a implementação do Acordo de Paris a partir de 2020, quando o mesmo entra em vigor.
Continue lendo o texto completo aqui .

Crédito: Beata Zawrzel/NurPhoto/Getty Images

VOLTA AO TOPO

POLÍTICA CLIMÁTICA E ENGAJAMENTO
O esvaziamento da pauta climática e ambiental no início do governo Bolsonaro

O governo do Presidente Jair Bolsonaro tem menos de vinte dias, e já podemos observar que alguns desmontes na área ambiental já são visíveis. O Instituto Socioambiental (ISA) analisou a redação da Medida Provisória (MP) e dos decretos que produziram a maior reforma ministerial desde o governo Collor (1990 a 1992). Embora o Ministério do Meio Ambiente não tenha sido extinto ou incorporado à pasta da Agricultura (como se previa no período pós-eleições), muito mais por pressão dos próprios ruralistas que temiam desgaste no comércio internacional do que por outro motivo, ele perdeu poder político e viu sua administração se subordinar a interesses econômicos e de outras áreas desenvolvimentistas.

Crédito: Expedia

A competência de combate ao desmatamento, núcleo da área ambiental federal desde os anos 80, foi esvaziada, assim como os programas para populações indígenas e tradicionais. O departamento de educação ambiental não existe mais, sobrando menções genéricas na pasta e no Ministério da Educação.

No Itamaraty, as divisões de clima e energia renovável foram extintas por decreto publicado na 5ª feira, dia 10, apenas dois anos e meio após o então chanceler José Serra promover o tema a prioridade. Com a decisão de Ernesto Araújo, o Brasil fica em situação complicada nas negociações de clima, que além de sua importância global trazem também recursos e investimentos ao país. Leia a nota que o Observatório do Clima divulgou uma nota a respeito .

VOLTA AO TOPO

O Amanhã é hoje, documentário que retrata vidas impactadas pelo clima

Os impactos do clima já alcançam pessoas em todo o mundo, e no Brasil não é diferente. O documentário “O Amanhã é hoje” mostra o drama de brasileiros que vivem na cidade, no campo ou na floresta e já foram impactados pelas mudanças climáticas. São seis histórias retratadas, de cinco estados diferentes, que mostram a urgência de se enfrentar o problema de frente – o Brasil tem potencial histórico para liderar esse debate, que precisa ser pauta de todos, e não apenas de cientistas e especialistas


Entre as histórias, a da jovem indígena que se tornou brigadista voluntária após um incêndio florestal sem precedentes, a pequena agricultora que enfrentou seis anos de seca, a comunidade caiçara centenária que se viu obrigada a mudar de território em função da força do mar e o comerciante que viu seu negócio ser destruído pelas chuvas e deslizamentos no Rio de Janeiro. O trabalho é assinado por sete organizações da sociedade civil, entre as quais Conectas Direitos Humanos, Instituto Socioambiental, Instituto Alana, Greenpeace e Engajamundo. Assista ao documentário, na íntegra. É gratuito e indispensável.

 

VOLTA AO TOPO

ECONOMIA DE BAIXO CARBONO
FBMC entrega a Temer um documento com dados preliminares sobre Brasil Carbono Zero

No dia 26 de dezembro, quatro dias antes do fim de seu mandato como presidente do Brasil, Michel Temer recebeu em audiência o coordenador executivo do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas (FBMC), Alfredo Sirkis, o então Ministro do Meio Ambiente, Edson Duarte, e a professora Carolina Dubeux. Na ocasião, foi entregue a avaliação preliminar “Brasil Carbono Zero, em 2060” , encomendada por Temer ao Fórum, e o sumário “Mudança do Clima: riscos e oportunidades para o Brasil”, decidido na última plenária do FBMC e destinado ao governo de Jair Bolsonaro, presidente eleito que assumiu o cargo no dia 1º de janeiro.

Debate sobre emissões do transporte marítimo

Crédito: Juliana Chalita

Taxa de desmatamento na Amazônia cresce 36% entre junho e setembro

 Já o sumário resume os grandes riscos para o Brasil representado pelas mudanças climáticas, assim como as oportunidades econômicas de uma política de baixo carbono, campo no qual o país tem ampla vantagem competitiva.

Durante o encontro, Sirkis também pediu que Temer esclarecesse aos membros do novo governo federal a importância do FBMC, sua pluralidade de atores (governo, setor empresarial, academia e terceiro setor) e o fato de ser mais um instrumento de Estado do que de governo. Além disso, reforçou a natureza pró-bono do Fórum, sem cargos comissionados ou despesa pública. Agora, só nos resta esperar as cenas dos próximos capítulos!

 

VOLTA AO TOPO

TRANSPORTE
Novo coordenador do portfólio de transporte inicia os trabalhos

Último ministro do novo governo anunciado: o do meio ambiente

O program officer Marcel Martin Baptista de Faria iniciou oficialmente o exercício do cargo neste mês de janeiro. Graduado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo (USP), é mestre em Planejamento e Gestão de Território pela Universidade Federal do ABC (UFABC). Entre 2009 e 2016, Marcel atuou com o desenvolvimento de estudos de transportes – dentre eles, Planos Diretores e de Mobilidade. Logo depois, geriu e coordenou tecnicamente produtos previstos no programa de mobilidade urbana de baixo carbono do Instituto de Energia e Meio Ambiente (IEMA), onde permaneceu até 2018. Mais uma vez, desejamos boas-vindas ao novo coordenador!

VOLTA AO TOPO

ENERGIA
#QUANTO CUSTA morar longe?

Instituto Escolhas , o Centro de Política e Economia do Setor Público da Fundação Getúlio Vargas (CEPESP/EAESP/EESP) e a Folha de S.Paulo convidam a todos e todas para o lançamento do estudo “Morar Longe: o Programa Minha Casa Minha Vida e a expansão das Regiões Metropolitanas”, que analisa os impactos da iniciativa nas metrópoles do país. Um tema central para pensarmos os desafios que grande parte da população brasileira enfrentará nos próximos anos. O Seminário terá a presença de economistas, urbanistas e pesquisadores especialistas do tema. Para obter mais informações sobre a programação e inscrições, acesse este link e participe!

Taxa de desmatamento na Amazônia cresce 36% entre junho e setembro

VOLTA AO TOPO

Estudo da COPPE/UFRJ sobre emissões de transporte marítimo é lançado

A CEnergia da COPPE/UFRJ lançou o estudo “Avaliação de Impacto: Mitigação de Emissões de gases de efeito estufa para Cumprimento da Meta da Organização Marítima Internacional (IMO, em inglês”. Com apoio do iCS, o trabalho chega com o propósito de auxiliar na regulação das emissões de CO2  do transporte marítimo (setor responsável por 2,2% do total de emissões globais), principalmente após a decisão da IMO de reduzir 50% das emissões marítimas dos países-membros até 2050 no máximo, com base no ano de 2008. O objetivo específico do trabalho é o de avaliar os possíveis impactos das inúmeras medidas de mitigação propostas nas exportações das principais commodities brasileiras, um dos temas mais sensíveis no debate nacional. Acesse o estudo aqui.

VOLTA AO TOPO

EDITAL ABERTO
Prêmio MapBiomas seleciona trabalhos sobre a relação entre uso da terra e infraestrutura

Você já se perguntou qual é o impacto das obras de infraestrutura ou como projetos de produção de energia afetam a cobertura florestal no Brasil? Ou ainda, qual a relação entre o desmatamento e a construção de estradas ou ferrovias? Uma iniciativa conjunta da rede de instituições do MapBiomas, do Instituto Energia e Meio Ambiente (IEMA) e do Instituto Escolhas, com apoio do iCS, quer saber as respostas e convida a todos os interessados a inscreverem trabalhos que abordem esses temas. São duas categorias:

  1. Jovem - para autor principal com até 30 anos e que não completou a graduação ainda ou se formou em 2018;
  2. Geral - para concorrentes independentemente da idade e do nível de escolaridade do autor principal. As inscrições estão abertas até o dia 31 de janeiro e serão premiados quatro trabalhos com valores de R$ 3.000,00 a R$ 10.000,00.

Confira aqui mais informações do Prêmio MapBiomas: http://mapbiomas.org/premio

VOLTA AO TOPO

POR DENTRO DO iCS
Um calendário especial para 2019

2019 chegou e com ele inúmeros desafios. Temos um presente para quem deseja organizar as prioridades, unificar as agendas e mapear as novas estratégias dos próximos meses. Faça bom uso!

Calendário 2019

VOLTA AO TOPO

INÉDITO: NOVAS WEBSÉRIES

Iniciamos 2019 com mais novidades! Nesta primeira edição do nosso boletim, vamos lançar novos formatos de webséries a partir de depoimentos registrados nos dois últimos eventos da plataforma Diálogos Futuro Sustentável. Os encontros internacionais sobre Clima e Saúde e Mudanças Climáticas e Transporte Marítimo – realizados em Brasília e no Rio de Janeiro respectivamente – deixaram alguns regados de aprendizados. São episódios curtos e rico em dados e reflexões. Confira e compartilhe!

VOLTA AO TOPO

Calendário 2019

Último ministro do novo governo anunciado: o do meio ambiente

Último ministro do novo governo anunciado: o do meio ambiente

 

Tatiana Marrufo
Clima e Saúde
Coord. Do Prog. Estratégico de Saúde e Ambiente do Instituto Nacional de Saúde de Moçambique, Tatiana Marrufo explica que a localização geográfica de seu país faz com que seja o terceiro país mais afetado por eventos climáticos extremos na África

 

Pedro Hartung
Clima e Saúde
Advogado do Instituto Alana explica que adolescentes e crianças estão entre os grupos mais afetados na saúde pelas mudanças climáticas, como falta de acesso à água adequada, poluição e ondas de calor

VOLTA AO TOPO

Calendário 2019
Último ministro do novo governo anunciado: o do meio ambiente Último ministro do novo governo anunciado: o do meio ambiente

 

Ana Toni
Mudanças Climáticas e Transporte Marítimo
Diretora-Executiva do iCS, Ana Toni explica que mudanças climáticas é um problema de economia, de mercado e a sociedade precisa olhar para o tema em todas as perspectivas, como o transporte marítimo, que também será afetado pelo aumento da temperatura dos oceanos.


André Lucena
Mudanças Climáticas e Transporte Marítimo
Professor e Pesquisador da COPPE-UFRJ, André Lucena explica que os produtos que o Brasil vende são primários, e por isso necessitam de grandes navios para o transporte, tornando as emissões do setor relativamente altas.

VOLTA AO TOPO

 



DOAÇÕES APROVADAS EM DEZEMBRO
Climainfo Valor Doado
R$ 1.190.000,00
Duração
30 meses
Portfólio
Política Climática e Engajamento

Instituto ClimaInfo

Propósito da Doação: Apoiar tanto a assessoria de imprensa sem marca da ClimaInfo para ONGs, acadêmicos e think-tanks e seu boletim diário sobre clima, como também seus esforços para consolidar e fortalecer sua capacidade institucional.

GCCA Valor Doado
R$ 30.000,00
Duração
8 meses
Portfólio
Política Climática e Engajamento

AdvocacyHub

Propósito da Doação: Oferecer treinamento em advocacy para ONGs brasileiras que trabalham com questões relacionadas às mudanças climáticas.

IDESAM Valor Doado
R$ 180.000,00
Duração
6 meses
Portfólio
Economia de Baixo Carbono

COPPETEC - Fund. Coord. Projetos, Pesquisas e Estudos Tecnológicos

Propósito da Doação: Desenvolver uma solução metodológica robusta para atribuir as emissões de GEEs a cada setor produtivo de acordo com as categorias do PIB e, assim, permitir o início da construção de um conjunto de dados de emissões de GEE por setor e subsetores do PIB. Avaliar a evolução dos setores econômicos intensivos em carbono e baixo carbono no Brasil.

SITAWI Valor Doado
R$ 110.000,00
Duração
7 meses
Portfólio
Economia de Baixo Carbono

WWF-Brasil - Fundo Mundial para a Natureza

Propósito da Doação: Para apresentar soluções climáticas e fomentar negócios na economia de baixo carbono, a Conexão Carbono Zero será a primeira feira de negócios da América Latina a reunir uma multiplicidade de atores interessados em mitigar as emissões de gases de efeito estufa.

SITAWI Valor Doado
R$ 525.000,00
Duração
12 meses
Portfólio
Transporte

IDEC - Inst. Defesa do Consumidor

Propósito da Doação: Melhorar a qualidade dos sistemas de mobilidade urbana através da defesa dos direitos do consumidor relacionados a padrões de poluição e infraestrutura de tecnologia de baixo carbono. O Idec vai focar no trabalho de monitorar a implementação da licitação pública para ônibus em São Paulo e mobilizar os consumidores nesse importante processo.

JVN SIQUEIRA ME Valor Doado
R$ 72.000,00
Duração
7 meses
Portfólio
Uso da Terra

JVN SIQUEIRA ME

Propósito da Doação: Desenvolver a segunda versão do ToolKit para os mapas e dados das coleções do MapBiomas diretamente no Google Earth Engine; desenvolver o ToolKit para os Alertas de Desmatamento no Google Earth Engine; fornecer suporte técnico e conduzir a integração dos dados da Coleção.  

Arcplan Valor Doado
R$ 600.000,00
Duração
7 meses
Portfólio
Uso da Terra

ARCPLAN Sociedade Simples Ltda.

Propósito da Doação: Produzir primeira versão dos mapas anuais de desmatamento para Mata Atlântica e Pantanal com base na coleção 3 do MapBiomas; avaliar os produtos e revisar os mapas para Coleção 4; produzir alertas validados de desmatamento para os Biomas Mata Atlântica e Pantanal; revisar e atualizar o capítulo do Biomas Mata Atlântica e Pantanal no ATBD.

GEODATIN Inteligência em Dados e Geoinformação Ltd Valor Doado
R$240.000,00
Duração
7 meses
Portfólio
Uso da Terra

GEODATIN Inteligência em Dados e Geoinformação Ltda

Propósito da Doação: Produzir primeira versão dos mapas anuais de desmatamento para Bioma Caatinga com base na coleção 3 do MapBiomas; avaliar os produtos e revisar os mapas para Coleção 4; produzir alertas validados de desmatamento para o Bioma Caatinga; revisar e atualizar o capítulo do Bioma Caatinga no ATBD.

SITAWI Valor Doado
R$130.000,00
Duração
7 meses
Portfólio
Uso da Terra

ECOSTAGE Consultoria e Sistemas Ltda

Propósito da Doação: Fazer a manutenção do site, WebCollect e Dashboard do MapBiomas; adaptar para outras regiões e países; construir o Dashboard do Sistema de Alertas Validados de Desmatamento; documentar processos da plataforma no GitHub.

SITAWI Valor Doado
R$100.000,00
Duração
7 meses
Portfólio
Uso da Terra

FUNAPE - Fundação de Apoio a Pesquisa

Propósito da Doação: Refinar desenho metodológico para a coleta de amostras para treinamento e análise de acurácia das coleções do MapBiomas; selecionar e treinar equipe de coleta; coletar amostras de cobertura e uso do solo (1985 a 2017); documentar todos processos da plataforma no GitHub.

VOLTA AO TOPO

Este boletim é um dos principais produtos jornalísticos do Instituto Clima e Sociedade, enviado mensalmente para atualizá-los sobre as novidades no universo das mudanças climáticas. Quer colaborar com o nosso conteúdo? Acesse o formulário  aqui . Caso tenha outras sugestões, dúvidas ou críticas, envie um e-mail para comunicacao@climaesociedade.org